FORMAÇÃO

Consciente que numa organização as pessoas são o ativo mais importante, a Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Ponte de Lima tem como objetivo manter o esforço investido na formação profissional uma vez que entende que quanto mais valorizado é o capital intelectual mais se virá a contribuir para o desenvolvimento de competências e, consequentemente, se estimulará a criatividade e a inovação. A melhoria da comunicação entre todos os intervenientes da organização na partilha das ideias, dos conhecimentos e dos sentimentos, torna a Instituição mais coesa e mais forte.

 

Percurso Formativo

No ano de 2014, a Instituição integrou, mais uma vez, o grupo de Misericórdias que beneficiou de Formação Modular Financiada, em compromisso assumido com a União das Misericórdias Portuguesas (UMP), possibilitando a qualificação profissional dos seus colaboradores:

  • Durante os meses de janeiro, fevereiro e março, decorreu a segunda ação de “Higiene da Pessoa Idosa em Lares e Centros de Dia”, num total de 50 horas de formação, ministradas pela Enfermeira Sónia Helena Alves Soares a 15 colaboradores da Instituição. No decorrer da formação foram vários os momentos de prática simulada, para os quais foram disponibilizadas as instalações do Lar de Idosos, desta Instituição.
  • Em junho de 2014, a Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Ponte de Lima concluiu, com aproveitamento, a ação de formação orientada pelo Enfermeiro Nelson Ferreira, da Santa Casa da Misericórdia de Póvoa do Lanhoso, subjacente ao tema Gestão de Unidades de Cuidados Continuados e sua Sustentabilidade, que se realizou, numa primeira parte, no salão nobre da Instituição e, numa segunda parte, nas instalações da Santa Casa da Misericórdia de Póvoa do Lanhoso, onde funciona uma unidade de Cuidados Continuados de Média e Longa Duração.

formacao

“A formação serve para valorizar a imagem do funcionário e da Instituição nas mais variadas competências, nomeadamente, as psicossociais, que permitem desenvolver as atitudes comunicacionais e comportamentais, as competências cognitivas que se situam ao nível do desenvolvimento intelectual, e as competências psicomotoras, para o desenvolvimento das capacidades manuais, situadas ao nível do saber fazer. Ao investir na formação passamos a ter funcionários muito bem preparados para enfrentar quaisquer desafios que possam surgir durante a atividade profissional. Em suma, achamos que a formação foi uma mais-valia na medida em que é a formação em contexto de trabalho que permite uma maior aproximação entre os trabalhadores e a sua realidade profissional.” (Formadora e grupo de formandas da ação de Higiene da Pessoa Idosa em Lares e Centros de Dia)